Artigos

APERTE O CINTO

Martha E. Ferreira é economista, consultora de negócios, professora, palestrante e articulista

Publicado no Jornal A Tribuna, em Dezembro de 2014

   Os estudos da Transparência Internacional mostram que, num ranking de 177 países, o Brasil é o 69º no índice de percepção da corrupção mundial. Então, todo santo dia, quando abro os jornais me pergunto: qual será o escândalo de hoje? São Ministros de Estado envolvidos em esquemas fraudulentos; presidentes, diretores e funcionários de estatais metidos até o pescoço em desvios bilionários; políticos fichas sujas roubando como ratos; e juízes sem noção libertando criminosos de toda espécie.   

   O governo deixou de aplicar R$ 131 bilhões na saúde pública, desde 2003, e está em último lugar num levantamento da Bloomberg, que monitora a eficiência dos serviços de saúde, em 48 países. O descaso é total: um relatório da ONU aponta que a infecção pelo vírus HIV cresceu 11% no Brasil, entre 2005 e 2013, na contramão da tendência global; estudo divulgado pelo Instituto Trata Brasil nos coloca na 112ª posição, no quesito saneamento básico - em um conjunto de 200 nações -, atrás de muitos países da África, Oriente Médio e América Latina; e, de acordo com a ONG Contas Abertas, somente 01 de cada 10 obras de unidades de saúde do PAC foi executada; das 503 UPA’s previstas, apenas 14 ficaram prontas; 08 em cada 10 obras de abastecimento de água não foram entregues; e 09 em cada 10 obras de saneamento não foram concluídas.   

   A OCDE mantém um ranking da educação que compara resultados de provas de matemática, ciência e leitura, e também índices como taxa de alfabetização e aprovação escolar, em 36 países. O Brasil amarga a penúltima posição, à frente somente do México. Entretanto, a União já prevê déficit de R$ 1,9 bilhão para educação básica, em 2015.

   Por aqui, são 154 assassinatos por dia. Com esse número, o Brasil foi alçado ao posto de 7º país mais violento do mundo, entre os 100 analisados pelo Mapa da Violência. Na última década, nossas fronteiras foram escancaradas, permitindo a passagem de toneladas de drogas, que transformaram o país no maior mercado de crack do planeta e o segundo maior de cocaína. De acordo com a UNICEF, o Brasil tinha 100 mil crianças prostituídas, em 2001, e esse número saltou para 500 mil, em 2012, dados que alçaram o país para o primeiro da lista de exploração sexual infantil, na América Latina, e para o segundo no ranking mundial. Mesmo com esses dados alarmantes, que nos conferem uma liderança deprimente e inaceitável, a União deixou de investir R$ 21 bilhões em segurança pública nos últimos 12 anos. 

   O PIB brasileiro é uma vergonha. O FMI o revisou para baixo, pela sexta vez seguida, e a previsão de crescimento em 2014 despenca para um minúsculo 0,3%, o menor entre os principais emergentes, pelo 4º ano seguido.

   Conforme pesquisas da ONG Contas Abertas, quando se trata de infra-estrutura, só 35% das obras de energia do PAC foram concluídas; as Companhias Docas executaram somente 14,1% dos investimentos nos portos; apenas 36 das 108 obras previstas para o setor de aeroportos estão prontas; das 421 obras para expansão do sistema rodoviário, somente 126 estão concluídas; dos 48 empreendimentos em ferrovias, apenas 12 foram executados; e até o final deste ano o governo só irá inaugurar 02 das 11 grandes obras prometidas nos palanques. 

   Ah, e tem Minha Casa, Minha Vida, também: no grupo de renda de zero a três salários mínimos, segmento onde se concentra 90% do déficit habitacional do país, a conclusão dos imóveis não chega a 2%.  

   O principal mercado consumidor do Brasil, o interno, apresenta sinais de que vai morrer na praia. A inflação alta está corroendo os salários; os escândalos de corrupção, a confiança; e a incompetência do governo se ocupa em detonar o resto. 

   E de mentira em mentira, de fracasso em fracasso, o governo continuará claudicando por mais 04 anos. Como vai ser muito, mas muito mais do mesmo, sugiro que você pise no freio e aperte o cinto, porque o pior ainda está por vir.